Site Overlay

CDBs: rentabilidade pode variar quase 100% de banco para banco, mostra estudo

A rentabilidade de um CDB (Certificado de Depósito Bancário) pode variar mais de 100% conforme o banco emissor e seu vencimento. Um levantamento feito pela plataforma financeira Magnetis, a pedido do InvestNews, concluiu que os papéis com prazo de 90 dias e também os de liquidez diária oferecem um retorno médio mais vantajoso. O estudo incluiu todo tipo de banco e produtos atrelados ao CDI (Certificado de Depósito Interbancário), com prazo de até 120 dias.

LEIA MAIS: CDBs que pagam mais de 140% do CDI são seguros?

CDBs são títulos de dívidas emitidos por bancos. O investidor empresta dinheiro para a instituição financeira e, depois de um certo prazo, o banco devolve o valor investido, com o acréscimo do rendimento. Eles podem ser prefixados (quando oferecem um percentual fixo) ou também pós-fixados, quando o retorno é atrelado ao CDI – o tipo mais comum. 

Segundo a Magnetis, os CDBs que vencem em 90 dias oferecem, em média, um retorno bruto de 116% do CDI, o mais alto entre os produtos com vencimentos entre 1 e 180 dias. Quando se desconta a alíquota de 22,5% do Imposto de Renda (IR), o retorno líquido médio continua sendo o mais alto: 90% do CDI.

Os CDBs com prazo de 180 dias mostraram o segundo melhor retorno médio, com taxa líquida de 85%. Vale lembrar que o IR cobrado para investimentos a partir deste prazo é menor, de 20%, portanto desconta um pouco menos dos ganhos do investidor.

Vale destacar que o CDI é uma taxa de empréstimo entre os bancos, mas passou a ser usado como referência nos investimentos de renda fixa, já que ele acompanha a taxa Selic. Em 2020, ele acumulou uma rentabilidade de 2,75%, mas perdeu feio da inflação medida pelo IPCA, com retorno real negativo de 1,68%. Já a poupança, por exemplo, fechou o ano com rentabilidade real negativa de 2,71%.

Veja abaixo o levantamento com as diferentes rentabilidades de CDBs no mercado, segundo a Magnetis:

ProdutoPrazo (dias)LiquidezTaxa de retornoCDB – Paraná Banco1Vencimento105,00%CDB – Paraná Banco1Vencimento110,00%CDB – Banco Sofisa1Diária110,00%CDB – Banco Sofisa1Diária110,00%CDB – Banco Modal30Vencimento103,00%CDB – Paraná Banco30Vencimento106,00%CDB – Even34Vencimento102,50%CDB – BTG Pactual34Vencimento106,00%CDB – Even60Vencimento102,50%CDB – Banco Sofisa60Vencimento102,50%CDB – BTG Pactual60Vencimento103,00%CDB – Banco Modal60Vencimento104,00%CDB – BTG Pactual60Vencimento104,00%CDB – Paraná Banco60Vencimento107,00%CDB – BTG Pactual60Vencimento108,00%CDB – Lecca Financeira60Vencimento109,00%CDB – Even60Vencimento110,00%CDB – Voiter61Vencimento102,00%CDB – ICBC Brasil90Vencimento102,00%CDB – Even90Vencimento102,50%CDB – Banco Caixa Geral90Vencimento103,00%CDB – Banco Caixa Geral90Vencimento103,50%CDB – Banco Daycoval90Vencimento104,00%CDB – Even90Vencimento104,50%CDB – Banco PAN90Vencimento105,00%CDB – BTG Pactual90Vencimento105,00%CDB – Banco Daycoval90Vencimento105,00%CDB – BTG Pactual90Vencimento106,00%CDB – Paraná Banco90Vencimento106,00%CDB – Paraná Banco90Vencimento108,00%CDB – Lecca Financeira90Vencimento121,00%CDB – Banco BS290Vencimento124,00%CDB – Banco BS290Vencimento125,00%CDB – Even90Vencimento125,00%CDB – Banco BS290Vencimento127,00%CDB – Banco Máxima90Vencimento135,00%CDB – Banco Modal90Vencimento200,00%CDB – CCB BRASIL S/A CREDITO FINANCIAMENTOS E INVESTIMENTOS91Vencimento98,00%CDB – Banco Daycoval91Vencimento99,00%CDB – Banco PAN91Vencimento100,00%CDB – Banco Sofisa91Vencimento103,00%CDB – Banco BS291Vencimento105,00%CDB – Voiter91Vencimento108,00%CDB – Voiter91Vencimento108,00%CDB – Voiter91Vencimento108,00%CDB – Voiter91Vencimento108,00%CDB – Banco Máxima91Vencimento132,00%CDB – Banco Modal120Vencimento102,00%CDB – Even120Vencimento102,50%CDB – Banco Daycoval120Vencimento104,00%CDB – Even120Vencimento104,50%CDB – Even120Vencimento104,50%CDB – Banco Daycoval120Vencimento105,00%CDB – Banco Modal120Vencimento106,00%CDB – BTG Pactual120Vencimento107,50%CDB – Paraná Banco120Vencimento110,00%CDB – BTG Pactual120Vencimento111,50%CDB – Banco Máxima120Vencimento133,00%CDB – Banco Daycoval121Vencimento100,00%CDB – Banco CNH Industrial179Vencimento105,00%CDB – Banco ABC Brasil180Vencimento100,00%CDB – Agibank180Vencimento101,00%CDB – Banco Daycoval180Vencimento101,00%CDB – Banco Pine180Vencimento103,00%CDB – Banco Daycoval180Vencimento106,00%CDB – Banco Caixa Geral180Vencimento106,50%CDB – Banco BS2180Vencimento107,00%CDB – Banco BMG180Vencimento108,00%CDB – Banco BMG180Vencimento108,00%CDB – Banco BMG180Vencimento108,00%CDB – Banco BMG180Vencimento108,00%CDB – Banco BMG180Vencimento108,00%CDB – Banco BMG180Vencimento108,00%CDB – Banco Daycoval180Vencimento108,00%CDB – BTG Pactual180Vencimento109,00%CDB – Paraná Banco180Vencimento112,00%

Fonte: Magnetis

Por que varia tanto de banco para banco?

O investidor precisa ter atenção redobrada ao escolher um CDB, já que o retorno e os riscos variam bastante de um produto para outro. Entre as aplicações de 90 dias, é possível encontrar tanto um CDB que remunera 102% do CDI, como o do ICBC Brasil, quanto 200% do CDI, emitido pelo Banco Modal. Hoje, isso dá uma diferença de 96,8% na rentabilidade.

E por que o retorno do CDB varia tanto de um banco para outro, se eles são basicamente o mesmo produto financeiro?

Via de regra, os CDBs com prazos mais longos oferecem retornos mais elevados e costumam ser emitidos por bancos menores, que por sua vez costumam possuir notas de crédito mais baixa (o rating que mede o risco de calote). Em outras palavras, nestes bancos o perfil de risco é maior, por isso a rentabilidade também é.

CDB de liquidez diária vale a pena?

Já os CDBs com liquidez diária (que podem ser resgatados em qualquer data) surpreenderam no estudo da Magnetis com um retorno líquido de 84%, quando, em tese, eles apresentam taxas menores justamente pela facilidade do resgate. Eles superaram, por exemplo, o desempenho dos papéis com vencimentos mais longos, como os de 30 dias, e se igualaram aos de 120 dias.

Segundo Daniel Januzzi, planejador financeiro e gestor de renda fixa da Magnetis, o retorno mais alto das aplicações com este perfil pode ser explicado pelo fato de que, geralmente, são bancos menores que emitem o produto, via de regra os que precisam pagar taxas maiores para conseguir captar.

“Apesar destes CDBs terem liquidez de 1 dia, eles são emitidos com prazo de vencimento que podem ter 2 ou 3 anos. Ou seja, é possível resgatar antes ou ficar com ele até o final e até renová-lo”, explica Januzzi. Segundo o especialista, elevar o retorno é uma forma de o banco emissor tornar o produto mais atraente e também de ter mais facilidade de se financiar, mesmo que a um custo mais alto.

Vale ressaltar que os CDBs estão sujeitos à tributação pela tabela regressiva do Imposto de Renda, assim como boa parte dos investimentos de renda fixa, com exceção das LCIs (Letras de Crédito Imobiliário) e LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio). A tabela começa com alíquota de 22,5% para aplicações com até 180 dias e vai caindo até chegar à cobrança mínima de 15%, quando a aplicação passa de 720 dias.

CDB é bom para reserva de emergência?

Apesar de os CDBs contarem com o Fundo Garantidor de Crédito (FGC), uma espécie de “seguro” caso o banco quebre, eles estão sujeitos ao risco de liquidez, mesmo os de liquidez diária. Januzzi dá um exemplo prático: se você precisar fazer uma viagem de última hora e o banco que emitiu o papel onde está sua reserva falir, o FGC precisará intervir e o dinheiro pode ficar preso por um tempo até levantar os dados dos credores e fazer o pagamento.

“No momento de emergência, posso não conseguir usar esse recurso pela demora no FGC”, aponta o planejador da Magnetis. O FGC cobre algumas aplicações financeiras de até R$ 250 mil por CPF. Por esse motivo, ele recomenda como primeira opção para a reserva o Tesouro Selic, que embora possa pagar menos que um CDB, o risco de crédito é praticamente nulo. Isso porque, diferentemente de um banco, se o país quebrar, o governo ainda pode emitir dinheiro e pagar os credores, no pior dos cenários.

O risco em deixar a reserva de emergência nos títulos públicos é o de marcação a mercado, movimento de saída e entrada de investidores que pode fazer o papel oscilar no curto prazo. Ainda assim, define Januzzi, é a melhor garantia de que o dinheiro será resgatado quando o investidor precisar. “A reserva não deve ser usada para pagar a fatura do cartão de crédito, e sim caso você perca o emprego ou precise fazer uma cirurgia. Por isso, é importante deixar o dinheiro em uma aplicação líquida”, complementa.