Site Overlay

Dólar fecha a R$ 5,74 e Ibovespa cai mais de 2%, em dia de temor com ômicron

O principal índice da bolsa de valores brasileira, Ibovespa, fechou em forte baixa nesta segunda-feira (20), enquanto o dólar ultrapassou a marca de R$ 5,70, em meio à queda global dos ativos de risco por conta de temores com a variante ômicron do coronavírus.

O Ibovespa recuou 2,03%, aos 105.020 pontos. Já o dólar fechou em alta de 1% frente ao real, negociado a R$ 5,7410.

O aumento das infecções globais pela ômicron provocava preocupações nos mercados financeiros na abertura da semana que antecede o Natal, uma vez que vários países europeus e o Reino Unido avaliam a possibilidade de restrições durante o feriado. Na Holanda, por exemplo, já foram impostas medidas para prevenir que o sistema de saúde seja sobrecarregado.

Além disso, pesa na confiança dos mercados uma perspectiva de crescimento econômico menor do que o esperado nos Estados Unidos, após o pacote de investimento doméstico do presidente norte-americano Joe Biden, orçado em US$ 1,75 trilhão, sofrer um contratempo. Joe Manchin, um democrata moderado considerado importante para a aprovação do texto, disse no domingo que não irá apoiar o projeto.

“Mercados globais estão abrindo a semana em tom de ‘risk-off’ (aversão a risco), com investidores de olho na piora do quadro sanitário global”, disse em nota Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos. “Ativos de risco não deverão escapar do contágio pela piora de sentimento generalizada que caracteriza os mercados internacionais.”

Expectativas na semana

Em relatório divulgado nesta segunda-feira, os especialistas do banco Bradesco disseram que o foco dos participantes do mercado cairá sobre indicadores econômicos tanto do Brasil – com divulgação na quinta-feira do IPCA-15 de dezembro, considerado a prévia da inflação – quanto dos Estados Unidos, que publica durante a semana leituras sobre o Produto Interno Bruto (PIB) e o índice de preços PCE.

Além disso, no Brasil há ainda a expectativa de votação do relatório final do Orçamento de 2022 na Comissão Mista do Orçamento, enquanto investidores seguem atentos a notícias sobre o cenário fiscal.

Já o boletim Focus, divulgado semanalmente pelo Banco Central, mostrou que economistas reduziram pela 10ª vez seguida a expectativa para o crescimento da economia brasileira neste ano. Para a inflação, a estimativa para 2021 ano caiu ligeiramente, enquanto para o próximo ano houve leve alta.

Destaques da bolsa

A ação preferencial Petrobras (PETR4) foi a principal pressão negativa sobre o índice, caindo 2,86% no pregão, a R$ 28,16, enquanto a produtora de alimentos JBS (JBSS3) ficou na ponta oposta, subindo 1,47%, a R$ 37,57.

As ações da CVC (CVCB3) lideraram as perdas do Ibovespa, caindo mais de 8%, negociada a R$ 13,86, após ter noticiado ter sido surpreendida pela suspensão de voos da Itapemirim.

Além disso, diante dos temores com a variante ômicron, ações ligadas a commodities, como metalúrgicas, e reabertura, como turismo e aéreas, acabam enfrentando dia de baixa, enquanto exportadoras (como os frigoríficos) e pagadoras de dividendos sobem ou, pelo menos, caem menos, explica o analista da investimentos Murilo Breder, da NuInvest.

Bolsas mundiais

Wall Street

Os principais índices de Wall Street fecharam em expressiva queda nesta segunda-feira, com investidores preocupados com o risco de a variante ômicron prejudicar a recuperação econômica global e também com um revés crítico nos planos de gastos do presidente Joe Biden.

As ações tiveram baixas generalizadas à medida que os casos de coronavírus aumentaram na cidade de Nova York e nos Estados Unidos no fim de semana, eliminando esperanças de uma temporada de fim de ano mais normal.

De acordo com dados preliminares, o S&P 500 perdeu 1,11%, aos 4.569,30 pontos. O Nasdaq Composite cedeu 1,23%, para 14.983,22 pontos. O índice Dow Jones caiu 1,23%, para 34.928,70 pontos. O S&P 500 ficou abaixo de sua média móvel de 50 dias, um nível técnico importante.

Europa

As ações europeias fecharam em baixa nesta segunda-feira e registraram sua pior sessão em três semanas em meio a uma liquidação global nas bolsas.

  • Em LONDRES, o índice Financial Times recuou 0,99%, a 7.198,03 pontos.
  • Em FRANKFURT, o índice DAX caiu 1,88%, a 15.239,67 pontos.
  • Em PARIS, o índice CAC-40 perdeu 0,82%, a 6.870,10 pontos.
  • Em MILÃO, o índice Ftse/Mib teve desvalorização de 1,63%, a 26.177,76 pontos.
  • Em MADRI, o índice Ibex-35 registrou baixa de 0,83%, a 8.242,40 pontos.
  • Em LISBOA, o índice PSI20 desvalorizou-se 1,00%, a 5.385,60 pontos.

Ásia e Pacífico

O mercado acionário da China fechou em baixa nesta segunda-feira uma vez que o corte da taxa referencial de empréstimo do país falhou em melhorar o sentimento do investidor, com analistas dizendo que seu impacto sobre a economia será limitado.

  • Em TÓQUIO, o índice Nikkei recuou 2,13%, a 27.937 pontos.
  • Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 1,93%, a 22.744 pontos.
  • Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 1,07%, a 3.593 pontos.
  • O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 1,50%, a 4.880 pontos.
  • Em SEUL, o índice KOSPI teve desvalorização de 1,81%, a 2.963 pontos.
  • Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou baixa de 0,81%, a 17.669 pontos.
  • Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES desvalorizou-se 1,24%, a 3.072 pontos.
  • Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 recuou 0,16%, a 7.292 pontos.

( * Com informações da Reuters)

Veja também