Site Overlay

Eneva sobe 25,84% em maio, Suzano despenca; veja destaques do mês

Ibovespa, principal índice da B3, fechou o mês de maio com um novo recorde nesta segunda-feira (31), acima dos 126 mil pontos. A bolsa brasileira encerrou em alta pelo terceiro mês seguido, contrariando o ditado ‘sell in May and go away’ (venda em maio e vá embora), comum em Wall Street.

O Ibovespa subiu 0,52%, aos 126.216 pontos, maior patamar nominal de fechamento da história da bolsa. No mês de maio, acumulou valorização de 6,16%. Já o dólar subiu 0,25%, comercializado a R$ 5,2243. Em maio, a moeda dos EUA acumulou queda de 3,81%

Maiores altas

A maior alta do mês foi da empresa de geração de energia Eneva (ENEV3) que subiu 25,84%. Segundo Juan Espinhel, especialista em investimentos da Ivest Consultoria, a companhia apresentou bons resultados operacionais no 1º trimestre de 2021, com crescimento de 13%. O ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) consolidado também teve valorização de 1,6% em 1 ano. “Um resultado operacional positivo indica melhorias nas operações da companhia”, defende.

Para Espinhel essa evolução é puxada também pela crise hídrica, que tem influenciado nos preços das companhias elétricas com um patamar mais elevado na bandeira tarifária previsto para o mês de junho. Com a pior seca em 11 anos e o risco de racionamento, o especialista defende que companhias alternativas na geração de energia como Eneva acabam se beneficiando.

Na segunda posição, a BRF (BRFS3) valorizou 23,76%, puxada pela pressão compradora do mercado. A principal notícia foi que a Marfrig (MRFG3) adquiriu 24,25% de participação no capital social da BRF com o objetivo de diversificar os negócios.

Outro fluxo comprador que favoreceu as ações foi do J.P. Morgan, o banco aumentou sua participação na BRF para o patamar de 7,15% alegando questões de estratégia. Espinhel reforça que o setor de frigoríficos também se beneficia da tentativa da China de regular o preço das commodities, entre estas os grãos. “A pressão da China ajuda a controlar os custos”, defende.

E a terceira maior alta do mês foi da Cielo (CIEL3) , as ações da companhia saltaram 22,69%. Apesar da empresa enfrentar incerteza desde 2018, perdendo espaço para as concorrentes, a notícia de que a também adquirente Alelo vai lançar um superapp e entrar no segmento de delivery, acabou impactando na Cielo. “O mercado enxergou uma possível separação entre os sócios Bradesco e Banco do Brasil, o que daria lugar a uma recompra das ações da Cielo no patamar de R$ 5”, avalia.

Mesmo com esse panorama promissor para a Cielo no mês de maio, Espinhel alerta que ainda se trata de uma companhia que sofre diversas transformações e que apresenta um futuro incerto para muitos investidores.

Confira as 10 maiores altas do mês de maio*

Ação AltaEneva (ENEV3)25,84%BRF (BRFS3)23,76%Cielo (CIEL3)22,69%Ambev (ABEV3)20,08%Cia Hering (HGTX3)20,06%Eletrobras (ELET3)18,84%Iguatemi (IGTA3)17,91%Eletrobras (ELET6)17,41%brMalls (BRML3)17,33%Qualicorp (QUAL3)16,24%

*Dados: Valor Pro

Maiores quedas

A maior baixa do mês foi da Suzano (SUZB3) que fechou maio com desvalorização de 11,58%. Segundo Caio Kanaan Eboli, diretor operacional da mesa proprietária Axia Investing, a forte correlação da companhia com o dólar explicaria a sua queda. Outro fator que impactou no preço da ação foi a notícia de que o BNDES zerou sua posição na concorrente Klabin (KLBN11), o que acabou repercutindo também na Suzano. Contudo, segundo Kanaan isso não muda a tendência de alta do papel.

Na segunda posição entre as maiores quedas está a Usiminas (USIM5) que recuou 11,56%. Para o diretor operacional, os preços do aço continuaram surpreendendo positivamente e beneficiaram a companhia em maio, com forte demanda a nível global. Contudo, nos últimos 12 meses o papel já teve uma valorização expressiva de 370%, o que deu lugar a uma correção nos ganhos. “O papel parece ter encontrado um suporte na casa dos R$ 18,90 e avança em busca da sua próxima resistência no patamar de R$ 24,35”, afirma.

Outra companhia que também sofreu os efeitos da realização de lucros foi o Banco Inter (BIDI11) que fechou o mês em baixa de 11,53%. Kanaan aponta que o banco divulgou em maio seus resultados com um lucro líquido de R$ 20,8 milhões para o 1º trimestre de 2021, revertendo prejuízo de R$ 8,4 milhões no mesmo período em 2020.

O banco Inter também teve um salto de 106% no número de clientes, passando de 4,9 milhões de contas digitais, nos três primeiros meses de 2020, para 10,2 milhões no 1º trimestre deste ano. Ele explica que o preço da ação estava perto do seu topo histórico de R$ 78,54, mas apesar dos resultados positivos foi inevitável a queda dos preços puxada pela vontade dos investidores de embolsar os ganhos.

Ainda entre as quedas, a B2W (BTOW3) recuou 11,24%, as ações da companhia apresentaram um desempenho ruim neste mês pressionados pelo movimento de rotação das carteiras. “Contribuiu também a influência dos players do e-commerce no exterior, entre estes a Amazon”, afirma Kanaan. A curto prazo ele ainda enxerga uma perspectiva de baixa para a companhia, caso a ação caia abaixo dos R$ 57.

Confira as 10 maiores quedas do mês de maio*

AçãoQuedaSuzano (SUZB3)-11,58%Usiminas (USIM5)-11,56%Banco Inter (BIDI11)– 11,53%B2W (BTOW3)-11,24%Ultrapar (UGPA3)-8,72%Sabesp (SBSP3)-8,53%CSN (CSNA3)-7,66%Klabin (KLBN11)-5,6%Marfrig (MRFG3)-5,26%Braskem (BRKM5)-4,76%

*Dados: Valor Pro