Site Overlay

Reforma tributária de volta ao debate: economistas comentam 3 pontos polêmicos

O recesso parlamentar se encerrou neste sábado (31), e a expectativa é de que a reforma tributária volte às discussões já nos próximos dias. Para economistas ouvidos pelo InvestNews, se for aprovado, o projeto tem potencial para ajudar a economia, mas é preciso atenção aos detalhes na mesa de negociação. 

O presidente da Câmara, Arthur Lira, afirmou na última semana que a primeira parte da reforma tributária, que envolve mudanças no Imposto de Renda de pessoas físicas, jurídicas e na tributação de dividendos, deve entrar na pauta já nos próximos dias, com possibilidade de votação até novembro.

Especialista em contas públicas, o economista Fabio Klein, da Tendências Consultoria, diz que, ainda que a reforma tributária seja aprovada de forma parcial, será “um passo”. “O Brasil é complexo demais. A gente é campeão no tempo gasto para lidar com obrigações tributárias, o litígio é muito elevado. Ao simplificar, mesmo com a carga [tributária] mantida, essa simplificação teria um potencial de aumentar a produtividade da economia, competitividade das empresas, e aumentar a arrecadação porque a economia cresce”, comenta. 

Klein comenta a reforma considerando as duas fases apresentadas até agora. Em 2020, o governo apresentou ao Congresso a primeira fase da reforma, propondo unificação de PIS e Cofins. Já a proposta mais recente, apresentada neste ano, é a chamada “fase 2“, que propõe mudanças no IR e outros pontos como tributação de dividendos. 

Para Klein, a reforma vai no sentido correto no que ele aponta com os 4 princípios que devem norteá-la: simplificação do sistema tributário, neutralidade da carga (ou seja, sem aumento no saldo final), equidade (“paga mais quem pode mais”) e eficiência da economia. 

De maneira semelhante, o economista Luis Paulo Rosenberg, da Rosenberg Associados, diz que reduzir o Imposto de Renda sobre as empresas e passar a tributar dividendos, como propõe o projeto apresentado pelo governo, é uma forma de, ao mesmo tempo, melhorar a eficiência da produção e aumentar a equidade da economia. 

“A reforma, ao mesmo tempo, diminui a tributação sobre empresas e introduz de volta uma progressividade no Imposto de Renda que havia sido perdida. Esse segundo aspecto, sem dúvida, é o mais notável porque, às vésperas de uma eleição presidencial, o governo ter a coragem de mandar uma medida que vai penalizar os 5% mais ricos da população é algo extremamente louvável”, afirma. 

Mas, apesar de verem a reforma tributária com bons olhos de maneira geral, os economistas apontam 3 pontos do debate que vão merecer atenção durante as negociações do projeto no Congresso. Veja quais são eles:

Fim do desconto simplificado de 20% do IR

Uma das propostas contidas na reforma é o fim da opção de declaração simplificada do Imposto de Renda para quem ganha mais de R$ 3.333 por mês. Hoje, quem opta por esse modelo tem desconto de 20% no valor pago à Receita. Se a reforma passar como está, pessoas que ganham acima da faixa mínima ficam obrigadas a fazer a declaração completa. Para Klein, esse ponto pode prejudicar o princípio da equidade que deve ser buscado com a reforma. 

“Quando você fala ‘vou aumentar a faixa de isenção de IRPF’, está buscando equidade. E, nessa reformulação, dá pra ver que o benefício foi maior para quem ganha menos. Mas junto disso veio a retirada do desconto simplificado”, explica. Segundo ele, isso afeta “a classe média baixa que ganha R$ 3 mil e poucos por mês, que depende basicamente da renda do seu trabalho.”

“Esse cara tem uma renda que dá mais ou menos os R$ 40 mil no ano, usa escola pública, SUS. Hoje, ele tem o beneficio de um sistema simplificado de descontar 20%. Nessa base, ele tem um alívio tributário. Com a retirada desse desconto, isso pode fazer com que haja um aumento de carga para o cidadão que está nesse limiar, e até jogá-lo para a pobreza”, analisa o especialista. 

‘Fatiamento’ da reforma tributária

Rosenberg aponta os questionamentos sobre a forma pela qual a reforma está sendo feita – por partes. “É uma crítica lógica. Eu quero saber o contorno final da estrutura tributária do país. Mas eu iria um pouco mais longe: então por que já não fazer de uma vez a reforma fiscal? Ou seja, ao mesmo tempo vamos diminuir o gasto público (que hoje está sendo chamado de reforma administrativa), definir qual é o tamanho do gasto que a gente quer e, aí sim, qual é a estrutura tributária que a gente acha mais adequada para atender a essas necessidades”, diz. 

Klein aponta que, para analisar os efeitos que a reforma pode ter sobre a economia, é preciso enxergá-la como um todo – o que significa pensar também na “fase 1” da reforma tributária.  

“Na parte de simplificação, que seria o enfoque principal da fase 1, a gente tem por exemplo o governo criando um IVA [imposto sobre valor agregado] federal, a unificação de PIS e Cofins, vai nessa linha. Por outro lado, não leva em conta ISS [Imposto Sobre Serviço] e ICMS [Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços]. É meia reforma. O imposto mais complexo e mais importante é ICMS”, opina Klein. 

Para ele, o governo federal está “perdendo a oportunidade de dialogar com os governadores para fazer uma reforma mais ampla”, incluindo ICMS. 

Ainda assim, os dois economistas afirmam que uma reforma fatiada é melhor do que reforma nenhuma. “Se a gente fizer a fase 2 e não fizer a 1, se for bem feita a 2, continua sendo bom”, resume Klein.

“A gente sabe como é Parlamento. Cada um tem suas idiossincrasias. Se o Paulo Guedes deduziu que a forma menos arestosa de aprovar o projeto é por pedaços, vamos nessa. No final pode levar mais tempo, mas o importante é sempre caminhar na direção certa, e isso o projeto fez”, diz Rosenberg. 

A conta de estados e municípios

No campo das críticas à reforma, existe a de que os estados e municípios arcariam com a maior parte da redução da arrecadação. A perda deve ficar entre R$ 23 bilhões e R$ 27 bilhões, o que acabou gerando reclamações da Confederação Nacional de Municípios (CNM). Rosenberg afirma que a queixa faz sentido. 

“Nós estamos fazendo uma bruta reforma no Imposto de Renda e não estamos mexendo na contribuição social [CSLL, a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido]. Qual é a diferença entre os dois? O Imposto de Renda vai uma parte substancial para uma vala comum que é o fundo de participação dos estados e municípios. A contribuição não, porque a contribuição não é imposto. […] É isso que os estados reclamam. ‘Na parte que ele tem que dividir conosco, (o governo federal) é generoso e deixa baixar. Agora, no dele ele não mexe?’”, diz. 

Rosenberg defende ainda que, “quando alguém faz uma reforma para tratar do assunto de Imposto de Renda, deveria mexer na contribuição”. 

Veja também