Site Overlay

TRIG11: conheça o novo ETF de micro e small caps

Um novo ETF (fundo de índice) focado em ações de empresas menores (microcaps e small caps) iniciou as suas negociações na bolsa brasileira nesta sexta-feira (12).

O ETF Trígono Teva Ações Micro Cap/Small Caps Fundo de Índice foi criado pela gestora Trígono Capital e a Teva Índices. O ativo, que negocia na bolsa com o código TRIG11, fechou seu primeiro pregão em queda de 2,87%, cotado a R$ 45,77.

Considerado o primeiro fundo de cauda longa da bolsa – com cobertura das empresas de menor valor que representam até 5% da capitalização total de mercado em ordem crescente – o ETF TRIG11 tem 91 ativos e 16 setores.

Na carteira teórica dele é possível encontrar companhias ligadas ao setor produtivo e de negócios, entre estas: Kepler Weber (KEPL3), Marcopolo (POMO4), Randon (RAPT4), BrasilAgro (AGRO3), Vulcabras (VULC3).

Além de empresas de consumo mais populares entre o público, como Marisa (AMAR3), Burger King (BKBR3), CVC (CVCB3), entre outros. E IPOs recentes, tais como Ambipar (AMBP3), Espaço Laser (ESPA3), 3Tentos (TTEN3).

Segundo a Trígono, existem boas oportunidades de investimento em empresas de menor porte, mas que nem sempre são contempladas nos índices de mercado, entre estes o índice de Small Caps (SMLL).

O ETF tem como benchmark o índice Teva Ações Micro Caps e possui taxa de administração de 0,60% ao ano.

Até o dia 14 de outubro, o índice Teva Ações Micro Caps teve um retorno de 20,4% para os últimos 12 meses, enquanto o índice Small Cap (SMLL) valorizou 12%.

Critérios de seleção

Para integrar a carteira do ETF TRIG11 conhecido também como “puro sangue”, por ter a sua estratégia focada em micro e small caps, são escolhidas empresas consideradas emergentes e com forte potencial de crescimento.

Entre os critérios de seleção, podem fazer parte da carteira do ETF:

  • Empresas com liquidez mensal superior a R$ 50 milhões.
  • Free float (ações em livre circulação de mercado) superior a 20%.
  • Não ser uma companhia em recuperação judicial.
  • Ter pelo menos 5% da capitalização total do mercado brasileiro.
  • Ter 100% de presença de negociação nos pregões nos últimos 2 meses.
  • Não integrar setores de tabaco ou armamentos.
  • Não apresentar patrimônio líquido negativo e estar em dia com os demonstrativos financeiros.

ETFs na bolsa

Na bolsa de valores é possível encontrar 51 ETFs de renda variável. Destes, quatro já são focados em small caps, entre estes: O BTG Pactual SMLL B3 (SMAB11); o It Now Small Caps (SMAC11) e o iShares BMFBovespa Small Cap (SMAL11), da BlackRock, todos com taxa de administração de 0,50% ao ano.

Além do Trend ETF Small Caps (XMAL11), da XP, com taxa de administração de 0,30% ao ano.

Segundo dados da B3, até setembro, 474 mil investidores pessoa física aplicavam em ETFs.

Confira a carteira teórica do ETF TRIG11:

AçãoEmpresa Peso no ETFAALR3ALLIAR 0,55%ABCB4ABC BRASIL1,07%AGRO3BRASILAGRO 1,32%ALLD3ALLIED 0,50%AMAR3LOJAS MARISA0,53%AMBP3AMBIPAR 1,76%ANIM3ANIMA 1,99%APER3ALPER 0,46%BKBR3BK BRASIL 2,19%BMOB3BEMOBI TECH 1,21%BRBI11BR PARTNERS 0,96%BRPR3BR PROPERT1,36%BRSR6BANRISUL 2,05%CAML3CAMIL 1,09%CARD3CSU CARDSYSTEM0,29%CASH3MELIUZ 2,15%CEAB3CEA MODAS 0,78%CLSA3CLEARSALE 1,01%CRPG5CRISTAL 0,98%CSED3CRUZEIRO 0,48%CSMG3COPASA 2,33%CURY3CURY S/A0,72%CVCB3CVC BRASIL3,81%DESK3DESKTOP 0,55%DEXP3DEXXOS 0,49%DIRR3DIRECIONAL 0,78%ELMD3ELETROMIDIA 0,64%ENAT3ENAUTA PART 1,04%ENJU3ENJOEI 0,64%ESPA3ESPACOLASER 1,70%EVEN3EVEN1,29%EZTC3EZTEC 2,04%FESA4FERBASA1,87%FIQE3UNIFIQUE 0,62%FRAS3FRAS-LE 1,05%GFSA3GAFISA 0,73%HBOR3HELBOR 0,33%HBSA3HIDROVIAS 2,36%IFCM3INFRACOMM 3,22%JALL3JALLESMACHADON 0,94%JHSF3JHSF PART 1,60%JPSA3JEREISSATI 0,97%KEPL3KEPLER WEBER0,99%LAVV3LAVVI 0,47%LEVE3METAL LEVE 1,23%LIGT3LIGHT 4,30%LJQQ3QUERO-QUERO 2,12%LOGG3LOG 1,39%LOGN3LOG-IN 2,01%LPSB3LOPES BRASIL0,31%LVTC3WDC NETWORKS0,33%MDNE3MOURA DUBEUX0,30%MEAL3IMC 0,79%MELK3MELNICK 0,31%MILS3MILLS 0,63%MODL11MODALMAIS 1,12%MOSI3MOSAICO 0,67%MTRE3MITRE REALTYON 0,36%MYPK3IOCHP-MAXION2,15%NGRD3NEOGRID 0,42%OPCT3OCEANPACT 0,43%ORVR3ORIZON 0,60%PARD3IHPARDINI 0,86%PLPL3PLANO E PLANO 0,21%PNVL3DIMED 0,93%POMO4MARCOPOLO 1,50%POSI3POSITIVO 0,70%POWE3FOCUS 0,57%PTBL3PORTOBELLO 0,60%RANI3IRANI 0,66%RAPT4RANDON 1,85%RECV3PETRORECONCAVO3,60%ROMI3INDS ROMI 0,59%SEER3SER EDUCACIONAL0,58%SEQL3SEQUOIA 1,02%SHOW3TIME FOR FUN0,14%SOJA3BOA SAFRA 0,63%SQIA3SINQIA 1,32%SYNE3SYN PROP TECH0,76%TCSA3TECNISA 0,21%TEND3TENDA 1,75%TFCO4TRACK FIELD 0,68%TGMA3TEGMA 0,49%TRAD3TC 0,50%TRIS3TRISUL 0,53%TTEN33TENTOS1,00%TUPY3TUPY 1,41%VLID3VALID 0,66%VULC3VULCABRAS 0,69%WEST3WESTWING 0,39%WIZS3WIZ 0,74%

Fonte: Teva Índices

Veja também:

  • Ambipar já valorizou mais de 100% em 2021; dá para crescer mais?
  • EspaçoLaser: por que a companhia é a ‘Smart Fit da depilação’
  • Kepler Weber: a small cap conhecida como o celeiro do Brasil
  • Wiz: a small cap que se reinventou após o fim da ‘união’ de 47 anos com a Caixa
  • BrasilAgro: conheça a small cap que lucra recuperando fazendas improdutivas
  • CSU: a small cap que ganhou fama de ‘tesouro ignorado’ na bolsa